Pedir ou Agradecer??

 

Tenho acompanhado muitas postagens via facebook, que chegam ao meu feed de notícias, falando sobre como devemos agradecer por uma graça alcançada… Na própria oração, postada pelas pessoas, consta, em letras quase garrafais, aquele MUITO OBRIGADO pela graça alcançada.

Mas, esperemos um pouco! Por qual razão, alguém que ainda não teve sua graça alcançada, iria agradecer por ter recebido sua graça? Essa postura não soa muito mais como barganha do que um pedido sincero?

Temos uma visão, não raro equivocada sobre a figura de Deus. Desta forma, muitas pessoas, confundem a ideia da humildade com a postura da “coitadisse”. Ou seja, vestem-se de sofredores, quando geralmente não o são, ou adotam uma postura de falsa gratidão, imaginando que, com isso, Deus levará em conta sua atitude de gratidão e, por isso, lhes atenderá com mais rapidez!

Eu preciso entrar numa polêmica e dizer: Nada disto realmente funciona! Fingir-se de humilde, adotar uma postura de gratidão antes de ter recebido algo, tudo isso pode e deve ser modificado em nossa conduta quando o assunto é “pedir e agradecer”.

Em O Magnífico Poder da Oração, eBook de minha autoria, lançado pela Editora Universo, há trechos interessantes, que gostaria de dispor nesse artigo. O referido eBook tem uma proposta de clarear um pouco mais sobre o grande poder que cada um de nós possui e, como todos os outros trabalhos escritos, foi pautado em minhas observações e experiência como terapeuta/facilitador. Portanto, foi o que pude observar e aprender com as pessoas que chegaram até mim.

No capítulo “Pedir ou Agradecer?” há trechos que considero da maior importância:

O ato de pedir durante nossas orações, funciona como uma centelha que, uma vez enviada ao Universo e, portanto, à Consciência Divina, provoca a ignição de uma força incomensurável e a Consciência Divina passa a atuar em prol de nossa vontade, agindo para que nossos objetivos sejam alcançados, ainda que para isso, ela tenha que ir até os confins do Universo, ao fundo da Consciência de Deus! Quanto mais alimentamos aquela centelha inicial, tanto mais força e proximidade vamos adquirindo em relação aos nossos objetivos!

E logo depois:

Porém, se oramos com o intuito de agradecer, estaremos enviando um comando para a Consciência Divina, informando que a movimentação de forças não mais é necessária. O agradecimento funciona como um comando claro: “Cessar Imediatamente!” Então o Universo indubitavelmente entenderá que nosso objetivo foi alcançado, ainda que isto não tenha acontecido!

Vejamos a experiência de algumas pessoas que invertem isto:

Algumas pessoas têm me confidenciado sentir uma espécie de vazio após suas orações. Informam que sentem que suas almas não ficaram saciadas, parecendo que faltou algo; como que não tivessem conseguido achar o fio da meada. Erroneamente acreditam que não estavam adequadamente concentradas ou que o ambiente não lhes favoreceu. Na verdade, o que fizeram foi inverter a ordem das coisas, ou cometeram um ato comum, de pedir e agradecer ao mesmo tempo: Simultaneamente evocaram e neutralizaram as forças de Deus! Portanto, compreender a sinalética da alma é o primeiro passo para saber se estamos orando corretamente!

Vejamos algo importante:

Devemos ter em mente que a oração de agradecimento tem como objetivo principal honrar a Consciência Divina. Ela representa o fechamento de um ciclo e deve ser feita, impreterivelmente, dias ou meses após a oração cujo intuito foi pedir – preferentemente, após alcançar o objetivo desejado.

Agora, deixo vocês com um pensamento:

Podemos, através da oração, pedir milhares – e até milhões – de vezes uma mesma coisa, mas só precisamos – no tempo certo, agradecer uma única vez.

 

Deixe uma resposta